A propósito do ato criador

"Quando analisamos a descrição de um ato, constatamos que a perfeição e a força de
convicção de sua imagem plástico-pictural se situam num contexto de sentido tornado
caduco, transcendente à consciência do executante no momento do ato, e nós mesmos,
leitores, não ficamos internamente envolvidos pelo objetivo e pelo sentido do ato — senão,
o mundo das coisas se introduziria na consciência do executante que vivemos internamente,
e sua expressividade externa se encontraria desagregada — nada esperamos do ato e não
temos nenhuma expectativa dele no futuro real que é substituído pelo futuro artístico,
sempre artisticamente predeterminado. A forma artística do ato é vivenciada fora do tempo
do acontecimento da minha vida, de um tempo marcado pela fatalidade. E no interior desse
tempo, não há ato que se me apresente sob seu aspecto artístico. Uma caracterização
plástico-pictural desativa o futuro real no qual se insere a fatalidade de meu destino, pois
ela só introduz um passado e um presente delimitados, a partir dos quais não há acesso ao
futuro vivo, incerto."
BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. Tradução de Maria Ermantina Galvão G. Pereira. São Paulo: Martins Fontes, 1977.
Imagem: Desenho de Genny Bleggi.

Comentários

Postagens mais visitadas